Questão de linguagem

Acabei de chegar de uma palestra do Pierre Levy. Ele foi um dos convidados de um seminário numa faculdade de comunicação aqui de São Paulo.

Constrangedor. Arrumaram um infeliz para traduzir. O coitado, amador, sem nenhuma competência ou domínio técnico, provavelmente um aluno da faculdade, infelizmente virou o centro das atenções. Em primeiro lugar, não havia tradução simultânea (com cabines e fones de ouvido), o que, no meu ponto de vista, já é um lamentável indício de amadorismo por parte da organização do evento. Cada frase do palestrante era seguida da “tradução”, interrompendo o raciocínio. Ou seja, perda de agilidade, de tempo, de credibilidade. A platéia, inúmeras vezes, se manistou, até mesmo corrigindo navalhadas do cidadão.

O tema era interessantíssimo: web semântica e redes sociais. Acho que criei uma expectativa enorme para poder ver, ao vivo, o cara que estou estudando. Admito que já estava me preparando para alguma decepção. Não desse tamanho, lógico. Bom, fica para uma próxima. Desperdiçaram uma excelente oportunidade.

Ah, a faculdade é esta: http://www.fapcom.com.br/