Pensamentos nem um pouco fugazes

Preciso enaltecer o meu colega Chicão no seu genial post sobre a “teoria sentimental viniciana”. Segundo suas próprias palavras:

“A teoria sentimental viniciana do eterno enquanto dure é quase perfeita! Seus problemas estão (1) no intervalo depressivo inter-eternidades e (2) no fato de que o “dure” não é casal-específico e sim indivíduo-específico. Se solucionássemos esses dois problemas, teríamos o mundo sentimental ideal!”

O Chicão é um cientista de verdade, não desses que só existem nas referências bibliográficas. Mais do que isso, um “escritor, sambista, tomador de golo, filósofo, cozinheiro, tocador de viola, cientista e adorador de mulheres”. Fomos colegas (e mais uma dúzia de outros “geniozinhos”) de curso técnico de “informática industrial”, do tempo em que o windows era 3.11 e as computadores tinham 512MB de HD.

O cara já chegou ao ponto de construir suas próprias reflexões, sem precisar citar autores, como eu ainda preciso.