Dinâmicas urbanas

Um tema que, só aparentemente, foge ao que costumo colocar aqui.

“A própria cidade é construída de uma maneira peculiar, de modo que uma pessoa pode morar nela durante anos, entrar e sair dela diariamente sem ter contato com um bairro popular e nem mesmo com operários – quer dizer, contanto que a pessoa se limite aos seus próprios negócios ou a passear por puro prazer. Isto decorre principalmente das circunstâncias de que, através de um acordo tácito e inconsciente, assim como de uma intenção explícita e consciente, mantêm os bairros populares totalmente separados das partes reservadas à classe média… Nunca vi em outro lugar ocultar-se com tão fina sensibilidade tudo o que pudesse ofender os olhos e os nervos da classe média.”

Engels (aquele mesmo), analisando a cidade de Manchester. Claro, poderia muito bem ser São Paulo.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe operária na Inglaterra, São Paulo: Global, 1986

A questão envolvida neste trecho que nos interessa diretamente é a seguinte: as cidades, como outros sistemas auto-organizáveis, muitas vezes crescem “ao acaso”, sem uma política ou ordem deliberada de cima para baixo. E, ainda sim, adapta-se de acordo com uma lógica funcional.

“A cidade é complexa porque surpreende, sim, mas tambémporque tem uma personalidade coerente, uma personalidade que se auto-organiza a partir de milhões de decisões individuais, uma ordem global, construída a partir de interações locais.”

JOHNSON, Steven. Emergência: a dinâmica de rede em formigas, cérebros, cidades e softwares. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003. 231 p.