Month: February 2008

As cidades e as redes

Este post aborda uma breve reflexão sobre três aspectos:

a) a crescente aglomeração de pessoas nas grandes metrópoles;
b) a aparente contradição entre essa tendência e as possibilidades de trabalho à distância proporcionadas pelas tecnologias de informação em rede;
c) Afinal, por que diabos fui sair do aconchego do lar materno, cercado de reagalias e iguarias (quem conhece o rango da D. Leila sabe o que estou dizendo) e me mudei para São Paulo.

Vamos começar pelo CASTELLS (1999), com sua visão mais econômica e influenciada pelos movimentos de globalização à época do seu Sociedade em Rede.

As megacidades – maiores aglomerações urbanas do mundo, segundo a ONU – em especial, se tornam palco de contradições: articulam a economia global, integrando as redes de informação. Por outro lado, abrigam outros segmentos da população em áreas negligenciadas pelas tecnologias de comunicação e ao conhecimento. Se por um lado, estão conectadas a centros globais externos, internamente evidenciam a ruptura de estruturas sociais. Ainda sim, as megacidades continuarão a crescer, pois se constituem como pólos de desenvolvimento econômico, de inovação cultural e política e de conexão às redes globais. Em sua análise da influência das tecnologias da informação no espaço urbano, também coloca que, embora os recursos de telecomunicações e transações à distância estejam proporcionando novas possibilidades econômicas, as aglomerações e a proximidade física ainda são realidade. Ou seja, o trabalho ainda é presencial e não será substituído pelo trabalho à distância num curto prazo de tempo. O problema dos transportes é crescente, uma vez que requer maior mobilidade física da força de trabalho entre centros e periferia, incentivada pela compressão temporal das empresas em rede (muito mais atividades são realizadas numa mesma jornada de trabalho). O comércio eletrônico não elimina as grandes redes de varejo físicas. Pelo contrário, hipermercados e centros de compra se expandem cada vez mais, ao mesmo tempo em que inauguram suas versões também para a Internet. Idem para os complexos de saúde e as instituições de ensino, que passam a combinar funções locais e sistemas on-line.

Agora, o nosso amigo JOHNSON (2008), aquele mesmo que veio ao Campus Party e que fui ver, na primeira fila. (o cara é bom hein, até comprei o livro novo na hora, só para trocar uma idéia pessoalmente com ele e ganhar uma dedicatória)

“A ironia, é claro, é que as redes digitais supostamente deveriam tornar as cidades menos atrativas, não mais. O poder da telecomunicação e da conectividade instantânea tornaria a idéia de núcleos urbanos densamente povoados tão obsoleta quanto as cidades muradas da Idade Média. Por que as pessoas se espremeriam em agressivos meios superpovoados quando poderiam de uma forma igualmente simples trabalhar a distância em suas próprias casas? Porém, como se comprovou, muitas pessoas, na verdade, apreciam a densidade dos meios urbanos, precisamente por oferecer a densidade de confeitarias e cinemas de arte. À medida que as tecnologias aumentam nossa capacidade de encontrar esses nichos de interesse, esse tipo de densidade simplesmente se tornará cada vez mais atrativo. Esses mapas amadores oferecem um antídoto contra a grandiosidade, a complexidade e a intimidação das grandes cidades. Fazem com que todos se sintam em casa, precisamente porque se baseiam no conhecimento dos verdadeiros moradores da região.(…)

Há um motivo para que as pessoas mais ricas do mundo – que ao escolher o local no qual desejam constituir seus lares, têm opções praticamente infinitas – escolham reiteradamente viver nas áreas mais densamente povoadas do planeta. Em última instância, vivem nesses locais pelos mesmos motivos que os favelados de São Paulo: porque é na cidade que as coisas acontecem. As cidades são centros de oportunidades, tolerância, produção de riqueza, redes sociais, saúde, controle populacional e criatividade. Embora, é claro, ao longo das próximas décadas, a Internet e seus sucedâneos continuem a exportar alguns desses valores para as comunidades rurais, sem dúvida continuarão igualmente a reforçar a experiência de vida urbana. Os transeuntes nas calçadas se beneficiam tanto, se não mais, da Internet quanto os fazendeiros.”

(Sobre os mapas que ele se referiu no texto, será tema do próximo post.)

E então, como vai a minha vida em São Paulo? Bom, por exemplo, descobri uma tal de Starbucks que está me consumindo uma grana excessiva. Mas, como diriam os críticos, “relaxa, deixa de ser munheca-de-samambaia e aproveita o que a cidade tem de melhor”.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 6ª. Edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

JOHNSON, Steven. O Mapa Fantasma. Como a luta de dois homens contra o cólera mudou o destino de nossas metrópoles. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

NYTE – New York talk exchange

NYTE

Globe encounters

In the Information Age, the flow of IP (Internet Protocol) data between locations is nearly ubiquitous. Globe Encounters visualizes in real time the volumes of Internet data flowing between New York and cities around the world. The size of the glow on a particular city location corresponds to the amount of IP traffic flowing between that place and New York City. A greater glow implies a greater IP flow.

Tá em exibição:

MoMA The Museum of Modern Art
Design and Elastic Mind
February 24th – May 12th 2008

http://senseable.mit.edu/nyte/index.html 

Product experience

Gostaria de destacar uma recente discussão que vi na lista IxDA. Trata do termo “product experience”. A princípio, uma “nova perspectiva” para os estudiosos de “human-computer interaction”. Claro que não há nada de novo no termo, afinal é papel do design lidar com a experiência proporcionada aos indivíduos pelo uso de seus produtos, independente da plataforma computacional.

Nesse aspecto não posso deixar de ressaltar a contribuição do Mauro Pinheiro nessa discussão:

“people are interested in nderstanding what makes a good experience, no matter if we’re talking
about computers, a chair, a poster. (…) We sure have to rethink our research…the age of pervasive computing is at our doorstep, computers tend to be less perceptible as an object, interfaces and context will become more and more dynamic and multi-sensorial. User experience design is going o another level.”

Ressalto também que a palestra do Mauro foi, na minha opinião, uma das mais esclarecedoras do 1º EBAI. E justamente tratava desse tema, ao alertar para a provável “miopia” dos arquitetos de informação ao restringirem suas investigações ao universo da internet e do browser.  Um exemplo que ele deu foi a própria exposição do Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa, em SP, repleta de diagramas, mapas, rotas e guias de navegação.

Trechos pendurados de Grande Sertão: Veredas, a obra-prima de Guimarães Rosa, no Salão de Exposições Temporárias do museu.

Foto tirada por Indech. Imagem do Museu da Língua Portuguesa (Estação da Luz – São Paulo, SP)

Videos do IXDA

Concept Ideation and IxD, Gretchen Anderson

Experience Design, Convergence + The Digital Agency, David Armano

Effective Prototyping Methods, Jonathan Arnowitz

Classic Design Movements and IxD: Kissing Cousins?, Chris Bernard

Help Me! A New Approach to Support Interactions, Doug Bolin

Concept Models: A Tool for Planning Interaction, Dan Brown

An Insurgency of Quality, Alan Cooper

New IxDA Board, Dave Malouf

IxD for Community Empowerment, Carl DiSalvo

Self-Conscious Gaming, Andrew Hieronymi

Designing for the Other 99%, Morten Hjerde

Designing for SpaceTime, Building in No-Time, Matt Jones

Redesigning Sony-Ericsson’s Product Catalog, Saskia Idzerda

Intervention-Interaction, Sigi Moeslinger

New Interaction Model for a Modular Personal Infotainment System, Sajid Saiyed

Strategic Boredom, Molly Wright Steenson

Interaction Across Disciplines, Michele Tepper

Ethics of Everyday Design, Gabriel White

User Interface Design in an Agile Environment: Enter the Design. Studio, Jeff White and Jim Unger

Fieldwork and Sketching: Translating Research Themes into Conceptual Designs, Susan Wyche

Dica do Dudu.

Sobre a arquitetura líquida do ciberespaço

Estou finalizando um texto sobre “Arquiteturas líquidas do ciberespaço”. Em breve colocarei aqui, na íntegra. Enquanto isso, vou colocando alguns trechos que já escrevi.

Metodologias de construção de sistemas de informação se constituem como verdadeiros guias para os arquitetos e designers, ao sistematizar as melhores práticas consolidadas por seus praticantes e estudiosos, registradas a partir de experiências prévias. Porém, como se fundamentar em metodologias que, por estarem inseridas em um cenário de mudanças constantes, necessitam de revisões e contextualizações? Em tempos de “informação líquida”, há o perigo iminente de se basear em regras consolidadas (e portanto “sólidas”, por etimologia) que ainda não amadureceram o suficiente para compreender o potencial dos sistemas de informação hipermidiática em rede. Por outro lado, conseguiríamos hoje compreender suficientemente os princípios de variação e expansão da hipermídia no tempo, a fim de projetar arquiteturas líquidas capazes de dar maior fluidez à informação circulante? Esse é o desafio que se impõe a esses estudiosos, que, da mesma maneira, são exigidos a exercitar sua capacidade de análise num contexto de muitas incertezas, mas de rápido amadurecimento.