Arquivo mensais:agosto 2007

Informação como “coisa”

The distinction between intangibles (knowledge and information-as-knowledge) and tangibles (information-as-thing) is central to what follows. If you can touch it or measure it directly, it is not knowledge, but must be some physical thing, possibly information-as-thing. (…) Knowledge, however, can be represented, just as an event can be filmed. However, the representation is no more knowledge than the film is the event. Any such representation is necessarily in tangible form (sign, signal, data, text, film, etc.) and so representations of knowledge (and of events) are necessarily “information-as-thing.”

BUCKLAND, Michael. Information as thing. Journal of the American Society of Information Science 42:5 (June 1991). Disponível em http://people.ischool.berkeley.edu/~buckland/thing.html

Paul Otlet

Wikipedia:

Paul Otlet (b. August 23, 1868, BelgiumDecember 10, 1944) was the founding father of documentation, the field of study now more commonly referred to as information science. He created the Universal Decimal Classification, one of the most prominent examples of faceted classification. Otlet was responsible for the widespread adoption in Europe of the standard American 3×5 inch index card used until recently in most library catalogs around the world, though largely displaced by the advent of online public access catalogs (OPAC). Otlet wrote numerous essays on how to collect and organize the world’s knowledge, culminating in two books, the Traité de documentation (1934) and Monde: Essai d’universalisme (1935).

Otlet, along with his friend and colleague Henri La Fontaine, founded the now-bankrupt Institut International de Bibliographie in 1895 which later became in English the International Federation for Information and Documentation (FID). In 1910, following a huge international conference, they created the Union of International Associations, which is still located in Brussels. They also created a great international center called at first Palais Mondial (World Palace), later, the Mundaneum to house the collections and activities of their various organizations and institutes.”

Crítica à Sociedade da Informação

“Os discursos que acompanham a sociedade da informação erigiram em lei o princípio da tabula rasa. Não há mais nada que não seja obsoleto. O determinismo tecnocomercial gera uma modernidade amnésica e dispensa o projeto social. A comunicação sem fim e sem limites institui-se como herdeira do progresso sem fim e sem limites. Na falta de memória, assiste-se ao retorno de uma escatologia de conotação religiosa que bebe nas fontes das profecias sobre a chegada da noosfera. (…) Toda atitude contrária a esse positivismo é rapidamente rotulada de tecnofóbica ou antimoderna. (…) Ao nos fazer crer que o acesso à Internet ao “saber universal”, que necessariamente terá sua fonte aos monopólios de saber já existentes, resolveria o problema não apenas da fratura digital, mas também o da fratura social. (…) A sociedade das redes está longe de ter colocado um fim ao etnocentrismo dos tempos imperiais. Em vez de resolver o problema, a tecnologia o desloca. Enquanto permanece a lancinante questão: como conceber e colocar em ação outros modelos de desenvolvimento? (…) A ditatura do tempo curto faz com que se atribua uma patente de novidade, e portanto de mudança revolucionária, àquilo que na verdade é produto de evoluções estruturais e de processos que estão em curso há muito tempo. (…) Refletir sobre os múltiplos entrecruzamentos das mediações sociais, culturais e educativas pelos quais se constroem os usos do mundo digital e que estão na própria origem da vida democrática. Opor-se ao fetichismo da velocidade neofordista por meio de outras relações com o tempo.” (p. 173, 174)

MATTELART, Armand. História da sociedade da informação. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

Nosso novo paradigma

Paradigma, segundo Thomas Kuhn (e a Wikipedia): conjunto de práticas que definem uma disciplina científica durante um período particular de tempo.

Sobre o novo paradigma introduzido pelas tecnologias da informação:

“A história da vida, como a vejo, é uma série de situações estáveis, pontuadas por intervalos raros por eventos importantes que ocorrem com grande rapidez e ajudam a estabelecer a próxima era estável. (…) No final do século XX vivemos um desses raros intervalos na história. Um intervalo cuja característica é a transformação de nossa “cultura material” pelos mecanismos de um novo paradigma tecnológico que se organiza em torno da tecnologia da informação. (…)

Este é, (…) no mínimo, um evento histório da mesma importância da Revolução Industrial do século XVIII, induzindo um padrão de descontinuidade nas bases materiais da economia, sociedade e cultura. (…)”

Castells caracteriza esse novo paradigma sob cinco aspectos:

1) informação é a nova materia-prima: tecnologias para agir sobre a informação e não somente informação para agir sobre a tecnologia
2) penetrabilidade dos seus efeitos: todos os processos da nossa existência individual e coletiva são moldados pelos efeitos da nova tecnologia
3) lógica de redes: descentralização, interações complexas, espaço de fluxos e relações rizomáticas determinam não somente a interconexão da informação, mas o próprio comportamento da sociedade e da economia.
4) Flexibilidade: facilidade de adaptação e rapidez das mudanças
5) convergência e integração de tecnologias

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Vol. 1. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

Mídia, mensagem e massa

“Se as pessoas tiverem algum nível de autonomia para organizar e decidir seu comportamento, as mensagens enviadas pela mídia deverão interagir com seus receptores e, assim, o conceito de mídia de massa refer-se a um sistema tecnológico, não a uma forma de cultura, a cultura de massa.(…)

Porém, enfatizar a autonomia da mente humana e dos sistemas culturais individuais na finalização do significado real das mensagens recebidas não implica que os meios de comunicação sejam instituições neutras, ou que seus efeitos sejam desprezíveis. Pelo que mostram os estudos empíricos, a mídia não é uma variávei independente na indução de comportamentos. Suas mensagens, explícitas ou subliminares, são trabalhadas, processadas por indivíduos localizados em contextos sociais específicos, dessa forma modificando o efeito pretendido pela mensagem. Mas os meios de comunicação, em especial, a mídia audiovisual de nossa cultura, representa de fato o material básico dos processos de comunicação. Vivemos em um ambiente de mídia, e a maior parte dos nossos estímulos simbólicos vem dos meios de comunicação.”

O que ele está dizendo, em resumo: não somos receptores completamente passivos da informação proveniente das mídias de massa, e sim pessoas autônomas. Vivemos e um contexto e estamos sujeitos a diversas mensagens, provenientes de fontes distintas. A questão é que essas fontes são, em sua maioria, as mídias audiovisuais, com todas a sua tradição de discurso homogêneo e rasteiro.

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Vol. 1. São Paulo: Paz e Terra, 1999. P. 421.

Questão de linguagem

Acabei de chegar de uma palestra do Pierre Levy. Ele foi um dos convidados de um seminário numa faculdade de comunicação aqui de São Paulo.

Constrangedor. Arrumaram um infeliz para traduzir. O coitado, amador, sem nenhuma competência ou domínio técnico, provavelmente um aluno da faculdade, infelizmente virou o centro das atenções. Em primeiro lugar, não havia tradução simultânea (com cabines e fones de ouvido), o que, no meu ponto de vista, já é um lamentável indício de amadorismo por parte da organização do evento. Cada frase do palestrante era seguida da “tradução”, interrompendo o raciocínio. Ou seja, perda de agilidade, de tempo, de credibilidade. A platéia, inúmeras vezes, se manistou, até mesmo corrigindo navalhadas do cidadão.

O tema era interessantíssimo: web semântica e redes sociais. Acho que criei uma expectativa enorme para poder ver, ao vivo, o cara que estou estudando. Admito que já estava me preparando para alguma decepção. Não desse tamanho, lógico. Bom, fica para uma próxima. Desperdiçaram uma excelente oportunidade.

Ah, a faculdade é esta: http://www.fapcom.com.br/