Arquivo mensais:outubro 2012

O possível adjacente

Johnson comenta o conceito do “possível adjacente” de Stuart Kauffman.

“O possível adjacente é uma espécie de futuro espectral, pairando nas bordas do atual estado de coisas, um mapa de todas as maneiras segundo as quais o presente pode se reiventar. Ele não é, contudo, um espaço infinito, ou um campo de jogo totalmente aberto. O número de reações de primeira ordem é vasto, mas é finito (…). O possível adjacente revela que a qualquer momento o mundo é capaz de mudanças extraordinárias, mas apenas certas mudanças podem acontecer. A estranha e bela verdade com relação ao possível adjacente é que seus limites e alargam a medida que os exploramos. Cada combinação introduz novas combinações no possível adjacente.” (p. 30)

Em seguida, ele comenta que, de acordo com esse conceito, as grandes ideias da humanidade não aparecem em grandes saltos.

“Na cultura humana, gostamos de pensar nas ideias revolucionárias como acelerações súbitas na linha do tempo, quando um gênio salta cinquenta anos adiante e inventa algo que as mentes normais, aprisionadas no momento presente, não poderiam descobrir. Mas a verdade é que os avanços tecnológicos (e científicos) raramente escapam do possível adjacente; a história do progresso cultural é, quase sem exceção, a história de uma porta que leva a outra, permitindo a exploração de uma sala do palácio de cada vez. Mas, como evidentemente a mente humana não é limitada pelas leis finitas da atração molecular, de vez em quando alguém tem uma ideia que nos teletransporta para certas salas adiante, saltando alguns passos exploratórios no possível adjacente. Mas essas ideias quase sempre resultam em fracassos de curto prazo, exatamente por terem dado um salto à frente. Temos uma expressão para qualificá-las: dizemos que estão ‘à frente do seu tempo’.” (p. 34-35)

JOHNSON, Steven. De onde vêm as boas ideias. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.