O Anjo da História

Angelus Novus, Paul Klee

Tese sobre a História número 9, de Walter Benjamin.

Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Nele está desenhado um anjo que parece estar na iminência de se afastar de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, seu queixo caído e suas asas abertas. O anjo da história deve ter esse aspecto. Seu semblante está voltado para o passado. Onde nós vemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê uma catástrofe única, que acumula incansavelmente ruína sobre ruína e as arremessa a seus pés. Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que o anjo não pode mais fechá-las. Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele volta as costas, enquanto o amontoado de ruínas diante dele cresce até o céu. É a essa tempestade que chamamos progresso.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

Escrevo isso algumas horas do domingo, 17 de abril, na iminência de um dia que será, inevitavelmente, catastrófico para nossa história política. Espero que Benjamin e o seu Anjo da História possam nos ajudar a iluminar esse acúmulo de ruínas aos nossos pés, em nome de um suposto progresso que não passa, na verdade, de uma ilusão e de um golpe. Como diria o próprio Benjamin, devemos lutar contra essa noção positivista de progresso e despertar, através de um olhar para o passado, as centelhas da esperança. “Tampouco os mortos estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer.” (p. 244)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>