Category: artigo

ICC 2017 – International Cartographic Conference

workshop maps & emotions

No começo de julho de 2017, fiz duas apresentações no ICC 2017 – 28th International Cartographic Conference em Washington D.C. Ambas fazem parte da minha pesquisa de doutorado. A primeira apresentação foi no workshop Maps & Emotions organizado pelos professores Sébastien Caquard, Amy Griffin e Alex Kent. A segunda apresentação foi em uma das mesas sobre cartografia crítica do evento principal. Em breve, os artigos completos estarão disponíveis para download.


 

Cartographic narratives and deep mapping: a conceptual proposal

Abstract: 

In this study, there will be discussed a trend called deep mapping, an interdisciplinary topic in the spatial humanities field that aims to explore narrative capabilities of maps, revealing stories associated with places. According to this approach, maps can be used as a tool to encourage a deeper knowledge about places. Besides that, maps can be extremely helpful to discover underlying meanings in the complexity of the space, showing patterns that otherwise would not be apparent. Essentially, the major challenge of deep mapping is to deal with qualitative aspects of places, like emotions and memories. Thus, the main question raised by this investigation is: how deep maps could be able to represent memories, emotions and perceptions associated with spatial experiences of urban places? Considering that scenario, this study is motivated to suggest a conceptual framework that could contribute with the future discussions about deep mapping. We argue that, in order to accomplish this challenge, deep maps should embrace three fundamental principles: (1) the walking, (2) the archaeology and (3) the montage. The walking presupposes that maps must encourage people to discover places by strolling, tracing alternative paths on the urban maze. The archaeological feature of deep maps corresponds to the assumption that cartographic narratives should provide a historical depth, looking for cultural objects that rest under the remains of that place’s history. The montage in deep maps corresponds to the idea that depth could be achieved through the combination of several media, such as photos, videos, texts, audios, hypertext, or even other maps. Therefore, we believe that these three principles – which are based on Walter Benjamin’s critical thought about Modernity – form a conceptual structure that could inspire future methodological approaches regarding deep mapping.


 

Art and Cartography as a Critique of Borders

Abstract: 

This study focuses on the convergence of art and cartography, whose approach provides relevant discussions about the critique of scientific maps. In the context of the Critical Cartography, Jeremy Crampton says that a critique is an investigation of the assumptions of a field of knowledge, not a disapproving judgment. In his own words, “critique is a political practice of questioning and resisting what we know in order to open up ways of knowing”. In that sense, contemporary art plays an important role not only to discuss the relationship between power and knowledge in cartography, but also to propose other categories of thought. Embracing aesthetic purposes, artists use maps as an expression against the false neutrality of the formal cartography, which considers a map as precise tool to represent space based on strict conventions. J. B. Harley says that a map will always be a partial representation and cannot be exempt from its ideological inclination. Thus, the explicit manipulation of the cartographic language in the context of visual arts can uncover other qualities of the space, making clear the partiality of the maps. Therefore, we emphasize the potential of artworks to communicate different insights about how we experience and live the contemporary space.

Among several map properties, there is a crucial visual element: the representation of borders, understood here in a broad sense as an arbitrary delimitation of a certain space. In general, borders are based on political decisions, often involving tensions and power dispute. Therefore, scientific maps have to clearly communicate these borders according to strict rules. However, people’s perception of the real space could not exactly correspond to this rigid definition. This scenario leads to the following question: how the intersection between art and cartography can improve the critical thinking about borders? By questioning borders, we suggest that art is able to show that real spaces are characterized by liminal spaces or thresholds, not by absolute or strict separations. Contrasting with borders, the notion of threshold not only indicates the separation of two ambiences, but also includes aspects of transitions, gradual change, movement. Therefore, this concept connects space and time, allowing a transition between two points, experiencing limits, testing forces, leaving the comfort zone, risking new approaches.

From this perspective, we highlight some artworks: first, we selected an image of the installation called Area Restringida (Restricted Area), an artwork created by Mateo Maté. Using barrier poles, Maté created a restricted area in a shape of the whole American continent, which is also under surveillance of a camera and security agents. Visitors are blocked by these “borders”, preventing them to trespass the installation. Second, we’ve chosen an artwork called Upotia, created by Nicolas Desplats. The artist created several paint buckets, labeling them as upotia: the ink supposedly could be used to set the frontiers of an imaginary land. Referring the famous concept of Utopia, Desplats brings some interesting discussions about the “cartographer’s perfect dream” of tracing an ideal frontier. Finally, we highlight the work of Francis Alÿs, an artist that proposed performances in two of the most controversial borders worldwide: the US-Mexico border and the Green Line in Israel.

These examples deal with the strictness of the borders, demonstrating how an aesthetic approach can be used as a mode of interpretation of cultural aspects regarding space in contemporary society. By recovering Critical Cartography investigations to support discussions about borders in arts, this study also raise questions about the arbitrary delimitation of spaces that are otherwise composed by diversity, power relations and conflict.

A powerful means of making sense

Em um breve parágrafo, um bom resumo sobre visualização.

Visualization provides a powerful means of making sense of data. By mapping data attributes to visual properties such as position, size, shape, and color, visualization designers leverage perceptual skills to help users discern and interpret patterns within data. A single image, however, typically provides answers to, at best, a handful of questions. Instead, visual analysis typically progresses in an iterative process of view creation, exploration, and refinement.

HEER, Jeffrey. SHNEIDERMAN, Ben. Interactive Dynamics for Visual Analysis. ACM Queue, 2012. Disponível em <http://queue.acm.org/detail.cfm?id=2146416>, acessado em 07/03/2012.

Arquiteturas líquidas do ciberespaço

Ontem apresentei um paper no II Simpósio ABCiber. Foi um evento que reuniu os principais pesquisadores brasileiros em Cibercultura.

Arquiteturas Líquidas do Ciberespaço

View SlideShare presentation or Upload your own. (tags: arquitetura folksononia)

Resumo:

Projetos arquitetônicos pressupõem o planejamento de estruturas capazes de ambientalizar, comportar e permitir o trânsito de pessoas, aliando design e funcionalidade. De maneira similar, esse conceito também se aplica a sistemas de informação, em especial aos sistemas articulados em rede, com seus múltiplos nós e intenso fluxos de bits. Para além da idéia de arquitetura no sentido tradicional do termo, relacionado à construção de ambientes físicos, como prédios, casas e edifícios, este estudo pretende discutir de que maneira poderíamos estender a aplicação da metáfora da arquitetura líquida no design de sistemas hipermidiáticos. Ou seja, apropriando-se do conceito de arquitetura no seu sentido mais amplo, como a arquitetura da informação e o design de interação podem se valer de conceitos líquidos para projetar estruturas menos rígidas, adaptáveis às ações da coletividade no ciberespaço, especialmente na Internet?

Palavras-chave: Ciberespaço, Arquitetura da informação, Design de interação; Web semântica;
Folksonomia; Sistemas dinâmicos.

1º Encontro Brasileiro de Arquitetura da Informação

Este final de semana aqui em SP vai o rolar o 1º Encontro Brasileiro de Arquitetura da Informação.

Banner do 1º Encontro Brasileiro de Arquitetura da Informação

Trata-se de uma excelente iniciativa da comunidade de AI brasileira. Enfim vamos reunir todo o pessoal que só conheço pelo Gmail. A proposta é organizarmos um evento atutal, nos moldes do IA Summit e assim nos mobilizar sempre para a discussão e a troca de experiências.

Escrevi um artigo para este evento e fui selecionado para fazer uma palestra. Fiquei muito feliz, não estava com tantas esperanças. Achei que meu artigo estava um pouco superficial, mas recebi bons “feedbacks” da comissão revisora, o que me deixou mais empolgado.

Vou tratar do tema “Personalização e colaboração na Web 2.0: novos caminhos para a Arquitetura da Informação”. Segue abaixo o resumo:

“Este estudo posiciona a Arquitetura da Informação no contexto da chamada “Web 2.0”, tendo em vista a tendência de colaboração e personalização da informação. Para isso, pretende discutir o conceito de interface cultural para expressão de novos valores da cultura contemporânea, apontando modelos de navegação e organização de conteúdo na Internet. ”

Segue abaixo a minha apresentação:

folksonomia, metadados e ontologias

Li este excelente artigo:

Ontology is Overrated: Categories, Links, and Tags

Alguns trechos:

“A lot of the conversation that’s going on now about categorization starts at a second step – “Since categorization is a good way to organize the world, we should…” But the first step is to ask the critical question: Is categorization a good idea?”

“There’s an analogy here with every journalist who has ever looked at the Web and said “Well, it needs an editor.” The Web has an editor, it’s everybody. In a world where publishing is expensive, the act of publishing is also a statement of quality — the filter comes before the publication. In a world where publishing is cheap, putting something out there says nothing about its quality. It’s what happens after it gets published that matters. If people don’t point to it, other people won’t read it. But the idea that the filtering is after the publishing is incredibly foreign to journalists.”

Uma vez que a Arquitetura da Informação lida diretamente com organização de conceitos, acho fundamental olharmos para folksonomia com mais cuidado. Acho que a pesquisa em AI precisa avançar em novas frentes, explorando potenciais tendências de manipulação da informação digital que questionem e subvertam modelos antigos de design interativo.

O Urso Polar é bom, mas acho que já conseguimos ir além.

The database logic

“After the novel, and subsequently cinema privileged narrative as the key form of cultural expression of the modern age, the computer age introduces its correlate – database.(…) It is this sense of database as a cultural form of its own which I want to address here. (…) we may even call database a new symbolic form of a computer age, a new way to structure our experience of ourselves and of the world. (…) the world appears to us as an endless and unstructured collection of images, texts, and other data records, it is only appropriate that we will be moved to model it as a database. But it is also appropriate that we would want to develops poetics, aesthetics, and ethics of this database.”

MANOVICH, Lev. The database logic. Disponível em < http://vv.arts.ucla.edu/AI_Society/manovich.html >

Fluxos dinâmicos de informação no planejamento urbano

Fluxos dinâmicos de informação no planejamento urbano: estratégias para simulação e compreensão de variáveis de um sistema

Resumo

Este trabalho irá abordar ao questão da complexidade das grandes metrópoles a partir do estudo do espaço de fluxos. Para isso, irá tratar do contexto atual urbano e sua relação com as tecnologias da informação, a globalização e a lógica de redes. Ao final, será proposta uma estratégia para o planejamento urbano, a partir da análise de um jogo de computador voltado para a simulação de cidades.

Contexto: as tecnologias da informação e a sociedade em rede

“Admitir o primado das estruturas hierárquicas significa privilegiar as estruturas arborescentes (…) Num sistema hierárquico, um indivíduo admite somente um vizinho ativo, seu superior hierárquico (…) Os canais de transmissão são pré-estabelecidos: a arborescência preexiste ao indivíduo que nela se integra num lugar preciso. (…) A estes sistemas centrados, os autores opõem sistemas a-centrados, (…) nos quais a comunicação se faz de um vizinho a um vizinho qualquer, onde as hastes e os canais não preexistem, nos quais os vizinhos são todos intercambiáveis, se definem somente por um estado a tal momento, de tal maneira que as operações locais se coordenam e o estado final global se sincroniza independente de uma instância central.” (DELEUZE e GUATTARI, 1997)

As significativas mudanças provocadas pela penetração da tecnologia da informação em todos os setores da sociedade neste início de século representam um novo marco na história humana. Tal contexto é caracterizado pela intensa aplicação da informação na geração de novos conhecimentos, numa proporção nunca antes verificada, ampliando a capacidade de comunicação entre pessoas.

A rede se tornou um modelo de comportamento e organização interna de elementos de um sistema por melhor traduzir suas relações não-hierárquicas e rizomáticas. Com essa compreensão, a maneira como os sistemas são estudados sofreu profunda mudança de ponto de vista, a partir do momento que os enxergamos como sistemas dinâmicos, internamente estruturados em rede. Podemos expandir esse conceito e encontrar seus reflexos não só em sistemas de computadores, como também na economia, biologia, sociologia e comunicação. Em outras palavras, a lógica do funcionamento de redes tornou-se aplicável a todos os tipos de atividades, contextos e situações. (CASTELLS, 1999, p. 89)

Os espaços urbanos, da mesma forma, também precisam ser observados com essa mesma lógica. Por influenciar decisivamente a mecânica cultural e econômica das instituições sociais (empresas, governo e indivíduos), a presença das tecnologias da informação se tornou fator fundamental para compreender o desenvolvimento das cidades. Dessa forma, as grandes áreas metropolitanas do mundo industrializado refletem a lógica das redes de maneira mais evidente, ao concentrar focos de inovação em tecnologia da informação.

As novas dinâmicas econômicas do espaço urbano

Para compreender as mudanças econômicas ocorridas nas grandes cidades nos últimos anos, é necessário evidenciar como as tecnologias da informação foram decisivas neste processo.

As grandes empresas organizaram-se em redes por necessidade de atuação em escala global do mercado, sustentadas pelas tecnologias de comunicação à distância. Nesse contexto, passaram a exigir profissionais capacitados, formados em centros de pesquisa tecnológica de ponta de grandes universidades. O trabalho desses profissionais envolve, necessariamente, desenvolvimento intelectual para automação de processos e geração de inovação, fatores determinantes para se obter vantagens competitivas. Trata-se, portanto, de uma mudança significativa na maneira como as empresas atuam, não mais sustentadas somente pela fórmula simples de consumo em massa de sua produção em escala. Na nova economia, caracterizada pela globalização e pelo funcionamento em rede, a própria informação se tornou o produto do processo produtivo.

A qualificação incessante dos profissionais passou a ser uma exigência que, inevitavelmente, leva a um abismo crescente entre os que possuem e os que não possuem acesso ao “capital intelectual”. A desigualdade de valores e a distância entre “incluídos” e “excluídos” geram reflexos na esfera social e na composição das novas dinâmicas do espaço urbano das metrópoles.

A interdependência de variáveis

Precisamos, dessa forma, encarar as grandes cidades como verdadeiros organismos complexos compostos de fluxos dinâmicos, com interdependência de seus elementos constituintes, sejam eles econômicos, sociais e culturais. De maneira que, qualquer alteração em um determinado aspecto, gera uma reação em cadeia em diversos outros elementos relacionados entre si.

Ainda que cada aspecto da cidade possua seus próprios desafios e demandas locais, o planejamento urbano exige domínio e conhecimento de inúmeras variáveis, tais como:

* Trânsito;
* Emprego;
* Distribuição de renda;
* Equilíbrio de demandas entre comércio/indústrias/residências;
* Especulação imobiliária;
* Criminalidade;
* Poluição;
* Infra-estrutura (esgoto, energia elétrica, transportes);
* Serviços sociais (saúde, educação, segurança);
* Orçamento;
* Lixo;
* Meio ambiente;
* Lazer;
* Cultura.

Percebemos claramente (pois sofremos isso no nosso cotidiano) que qualquer alteração no trânsito, por exemplo, tem impactos significativos em muitos outros aspectos do nosso dia. Da mesma forma, medidas de lazer e cultura possuem profunda relação com criminalidade e distribuição de renda. A especulação imobiliária, por outro lado, tem estreita influência em fatores como a infra-estrutura e o meio-ambiente, que por sua vez também gera questões sobre trânsito, poluição, lixo, e assim por diante.

Mais do que isso, percebemos que a mesma lógica se aplica a outros recortes dentro de um mesmo sistema. No caso das cidades, por exemplo, a arquitetura de formação de redes é reproduzida tanto no âmbito local quanto regional, entre bairros, cidades e regiões. Assim, encontramos interdependência de variáveis também em escalas menores ou maiores, cujo conjunto de forças atua tanto no seu equilíbrio quanto no seu desequilíbrio interno. Sua resultante tem potencial para desencadear um verdadeiro processo de desestruturação completa, seja ela destrutiva ou criativa.

O espaço de fluxos: um desafio para o planejamento urbano

CASTELLS (ibid) afirma que a era da informação está introduzindo uma nova forma urbana, a cidade informacional, caracterizada pelo predomínio estrutural do espaço de fluxos.

As megacidades – maiores aglomerações urbanas do mundo, segundo a ONU – em especial, se tornam palco de contradições: articulam a economia global, integrando as redes de informação. Por outro lado, abrigam outros segmentos da população em áreas negligenciadas pelas tecnologias de comunicação e ao conhecimento. Se por um lado, estão conectadas a centros globais externos, internamente evidenciam a ruptura de estruturas sociais. Ainda sim, as megacidades continuarão a crescer, pois se constituem como pólos de desenvolvimento econômico, de inovação cultural e política e de conexão às redes globais.

Em sua análise da influência das tecnologias da informação no espaço urbano, o mesmo autor também coloca que, embora os recursos de telecomunicações e transações à distância estejam proporcionando novas possibilidades econômicas, as aglomerações e a proximidade física ainda são realidade. Ou seja, o trabalho ainda é presencial e não será substituído pelo trabalho à distância num curto prazo de tempo.

Por exemplo, o problema dos transportes é crescente, uma vez que requer maior mobilidade física da força de trabalho entre centros e periferia, incentivada pela compressão temporal das empresas em rede (muito mais atividades são realizadas numa mesma jornada de trabalho). O comércio eletrônico não elimina as grandes redes de varejo físicas. Pelo contrário, hipermercados e centros de compra se expandem cada vez mais, ao mesmo tempo em que inauguram suas versões também para a Internet. Idem para os complexos de saúde e as instituições de ensino, que passam a combinar funções locais e sistemas on-line.

Este cenário nos aponta para um desafio interessante: como compreender os fluxos dinâmicos envolvidos nas questões urbanísticas para melhor atuar no planejamento das cidades? Tal questão se torna pertinente ao associarmos, imediatamente, as cidades aos sistemas de informação.

Uma hipótese decorrente desse problema estaria, portanto, em compreender as relações dinâmicas por meio das informações geradas por tais fluxos. Mais precisamente, podemos focar esta análise a partir da visualização e representação dessas informações.

Se a evolução das cidades depende, portanto, da relação de forças entre um dado conjunto de elementos dinâmicos, torna-se estratégico registrar o comportamento de cada variável em bancos de dados em formatos digitais. Assim seremos capazes de criar, com o auxílio do processamento dos computadores, visualizações gráficas dinâmicas (MANOVICH, 2002). Utilizando o mesmo critério, os padrões gerados podem ser comparados isoladamente ou a partir de cruzamentos de variáveis. A visualização dinâmica pode nos desvendar comportamentos interessantes, os quais dificilmente seriam revelados sem o auxílio de processamento digital.

A simples visualização de processos dinâmicos obviamente não irá trazer soluções para a complexidade que envolve os problemas das grandes cidades. Mas, ajudará a compreender o comportamento do espaço urbano e, principalmente, as relações de interdependência de suas variáveis.

Dessa forma, o objetivo específico deste estudo é debater a dinâmica de informações em uma cidade a partir de representações visuais, gráficos e diagramas. No entanto, antes de prosseguir, torna-se necessário apresentar um referencial conceitual para melhor compreender o problema em questão.

A teoria do espaço de fluxos

Iremos, neste momento, recortar parte do referencial teórico proposto por CASTELLS (ibid) para explicar um pouco mais sobre a teoria do espaço de fluxos – fundamental para embasar nossa discussão e identificar a lógica que rege essa nova sociedade que se forma.

Em primeiro lugar, cabe definir o termo fluxo, a fim de delimitar seu sentido aqui usado. São “seqüências intencionais, repetitivas, e programáveis de intercâmbio e interação entre posições fisicamente desarticuladas por atores sociais nas estruturas econômicas, política e simbólica da sociedade.” (p. 501).

Percebemos que o autor provoca uma leitura social de um termo que já possui conotações tecnológicas e comunicacionais, justamente para associar a importância das tecnologias da informação nas esferas da sociedade neste contexto em debate. Dessa forma, fica claro compreender que os processos sociais exercem influência no espaço. Já que, por sua vez, o espaço é o ambiente que reúne práticas sociais que ocorrem simultaneamente, não podemos desassociar espaço de tempo. Em outras palavras, o espaço é, na verdade, a representação de um momento. Um retrato “congelado” de um determinado tempo. “O espaço de fluxos é a organização material das práticas sociais de tempo compartilhado que funcionam por meio de fluxos.” (p. 501)

Planejamento urbano: simulação e divertimento

Já que hipótese aqui apontada envolve justamente utilizar representações visuais para compreender os fluxos dinâmicos de informação internos ao ambiente da cidade, iremos propor a seguinte estratégia: transportar o problema em questão para o universo virtual da simulação de variáveis no computador, com o auxílio de um jogo chamado Sim City1.

Coloque-se no lugar de um urbanista e perceba, logo de início, o quanto é necessário munir-se de ferramentas e estratégias coerentes para resolver questões de planejamento das grandes cidades. Esta é a proposta do jogo: construir e administrar uma cidade, tendo em vista o orçamento disponível e as demandas de seus cidadãos. A partir de um espaço físico delimitado, você deve ser capaz de erguer uma cidade, construindo e gerenciando infra-estrutura básica de saneamento, energia, trânsito, educação, saúde, segurança, lazer, entre outras. Mas sempre tendo em vista o equilíbrio orçamentário, para o contínuo progresso da sua cidade.

O jogador tem, às suas mãos, além dos controles básicos de navegação pelo espaço, ferramentas de construção (e demolição) de áreas urbanas, comerciais e industriais; redes de esgoto, usinas de energia, ruas e avenidas, hospitais, escolas, delegacias, bombeiros, parques, depósitos de lixo, e diversos outros elementos que compõem uma cidade.

Por outro lado, o mais relevante para este estudo está em avaliar as ferramentas disponíveis no jogo para visualização de dados dinâmicos. O jogador tem acesso a diversas representações visuais da sua cidade geradas dinamicamente, na forma de gráficos, tabelas e diagramas. Essas representações, que correspondem a cada uma das facetas, filtram os dados desejados e exibem ao planejador um retrato esquemático da situação.

Neste estudo, o Sim City é analisado, portanto, como um simulador de cidades baseado em um sistema complexo dinâmico. Seus algoritmos criam lógicas de comportamentos específicas para os objetos, passíveis de interferências de outros fatores, que variam de intensidade com a evolução do tempo.

Conclusões: novos pontos de vista a partir do tratamento visual da informação

Um jogo de computador nunca será capaz de reproduzir todo o conjunto de forças que rege uma cidade real. Mesmo porque, diante da complexidade de combinações entre seus elementos constituintes, é improvável prever e repetir o mesmo comportamento de variáveis. Afinal, como vimos, o espaço é uma fotografia do tempo atual, e essa fotografia não seria a mesma, ainda mais considerando momentos e contextos diferentes. Em outras palavras, se tomarmos dois conjuntos compostos das mesmas variáveis, situados em espaços físicos idênticos e disparados no mesmo instante, ainda sim eles se desenvolveriam de maneira distinta.

Por outro lado, porém, a análise do Sim City é relevante para nosso estudo porque apresenta uma maneira interessante de se compreender, principalmente, a interdependência das variáveis discutidas anteriormente. Sob o ponto de vista deste estudo, essa compreensão é facilitada, sobretudo, a partir das ferramentas de visualização de dados disponíveis no jogo, recursos fundamentais para o processo de decisão das ações do jogador,

Os recursos de visualização somente são possíveis na medida em que todos os processos são mapeados e registrados em formatos de bancos de dados digitais. A seleção e o cruzamento de tais dados podem gerar informações visuais que, se permanecessem no formato numérico, dificilmente trariam algum significado. Em outras palavras, leituras visuais geradas por dados dinâmicos nos revelam interpretações “escondidas” atrás dos dados. Além disso, o controle das variáveis e a tomada de decisões são facilitados quando temos ferramentas geradoras de gráficos e diagramas.

Esta análise nos aponta, enfim, para uma conclusão geral: a aplicação dos recursos da tecnologia da informação no processamento de dados gerados em sistemas complexos dinâmicos para construir visualizações gráficas dos seus elementos proporciona novas compreensões sobre seu comportamento como um todo.

O conceito presente nessa estratégia, se adaptado de maneira consistente, sistêmica e integrada no desenvolvimento de um sistema capaz de realizar o mapeamento dos principais fluxos das grandes cidades pode ser bastante útil no planejamento urbano. Pois irá revelar pontos de colisão, carências e comportamentos de seus elementos, em relação ao espaço como um todo e, principalmente, aos outros elementos que também fazem parte do sistema.

Referências

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. 6ª. Edição. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34. 715 pp. 1997

MANOVICH, Lev. Data Visualisation as New Abstraction and Anti-Sublime. Berlim: Agosto 2002. Disponível em < http://www.manovich.net/DOCS/data_art_2.doc > Acesso em 27/05/2007.

“Babel”: interface de navegação web baseada na organização do conhecimento

Neste estudo, iremos avaliar uma proposta de interface para navegação na Internet chamada “Babel”, criada pelo artista Simon Biggs.

“Babel”: a engenharia reversa das bibliotecas

Biggs é um artista australiano que trabalha com tecnologias digitais desde 1978, quando começou a utilizar computadores para produzir imagens e animações. Desde então, seus trabalhos buscam explorar os potenciais da interatividade digital. Nosso interesse neste estudo estará voltado para a obra “Babel”, de Maio de 2001.

Nessa obra, Biggs construiu um modelo 3D de navegação na web inspirado no sistema de classificação decimal de Dewey, amplamente utilizado na organização de livros em bibliotecas. Em Babel, os usuários percebem, na tela, um ambiente de dados numéricos formatados no padrão sugerido por Dewey. Tais dados estão organizados em linhas e colunas e a navegação ocorre pela simples movimentação do mouse na tela. Números dinâmicos são gerados a todo momento e, cada vez que o mouse é clicado, abre-se uma nova janela do navegador com um site cujo conteúdo esteja relacionado ao número. Múltiplos usuários podem navegar ao mesmo tempo no ambiente e compartilhar, de maneira visual, as ações dos outros usuários. Quanto mais pessoas navegam simultaneamente, novas “camadas” de números são interpostas, criando um ambiente dinâmico e compartilhado de navegação, de forma que um usuário pode ver as ações dos outros. A obra pode ser acessada no seguinte endereço: http://hosted.simonbiggs.easynet.co.uk/babel/babel.htm

Babel - screenshot

Fig. 1: Imagem da obra “Babel”

Sistema Decimal de Classficação de Dewey

A metáfora chave dessa obra de Biggs é a associação conceitual com o sistema Decimal de Classificação, criado por Melvil Dewey (1851-1931). Trata-se do sistema de classificação mais utilizado em bibliotecas no mundo. Propõe a organização de todo o conhecimento humano por meio de um código numérico infinitamente divisível, partindo das classes “gerais” estudadas desde a época das primeiras universidades na Europa. O sistema sofreu inúmeras expansões ao longo dos anos, mas, essencialmente, consiste em classificar todo o conhecimento em dez categorias:

000 Computadores, informação e referência geral
100 Filosofia e Psicologia
200 Religião
300 Ciências Sociais
400 Línguas
500 Ciência e matemática
600 Tecnologia
700 Arte e Lazer
800 Literatura
900 História e Geografia

O sistema utiliza dez classes principais, com divisões e subdivisões em grupos numerados também de 0 a 9, sucessivamente, até que seja suficiente para detalhar a especialização do assunto. Exemplo: 300 – Ciências Sociais, 340 – Direito, 344 – Direito Romano. São também utilizadas “divisões de forma” e “divisões geográficas”, a fim de detalhar o formato do material bibliográfico (dicionários, ensaios, periódicos, por exemplo) e o país específico. Toda publicação, então, pode ser classificada em um critério numérico e facilmente organizada em prateleiras, bastando resumir suas referências em fichas ou cartões para consulta rápida.

Uma breve história social do conhecimento

Como ter acesso à informação precisa? Como classificar todo o conteúdo que é gerado incessantemente pelos blogs, comunidades, listas de discussão e portais de notícias?

Questões semelhantes também preocupavam os contemporâneos de Dewey, porém numa escala e em contextos diferentes. Com a popularização da imprensa, o acúmulo de publicações começou a preocupar alguns “bibliotecários”, que passaram a pesquisar maneiras de se classificar e organizar livros. A partir do século XV, diversas propostas surgiram, quase sempre baseadas nas disciplinas acadêmicas das universidades da época, definidas da seguinte forma: o primeiro grau, ou bacharelado, era composto pelo Trivium (gramática, lógica e retórica) e pelo Quadrivium (aritmética, geometria, astronomia e música). Em seguida, vinham as “disciplinas superiores”: teologia, direito civil e canônico e a medicina. Posteriormente, sob a influência do iluminismo, disciplinas como a engenharia e as artes mecânicas ganharam mais espaço.

BURKE (2003), coloca que modelos de classificação do conhecimento sempre foram perseguidos por filósofos e pesquisadores. Aristóteles já havia proposto, no estudo chamado Organon, a classificação das coisas do mundo nas seguintes categorias: substância, quantidade, qualidade, relação, lugar, tempo, posição, condição, ação e paixão. Algumas enciclopédias chinesas, por sua vez, propuseram os seguintes critérios de ordenamento de seus manuscritos: fenômenos celestes, geografia, imperadores, natureza e conduta humana, governo, rituais, música, direito, funcionários, ordens de nobreza, assuntos militares, economia doméstica, propriedade, vestuário, veículos, ferramentas, alimentos, utensílios, artesanato, xadrez, taoísmo, budismo, álcool, medicina e história natural.

Podemos dizer que a classificação do conhecimento sempre esteve, portanto, associada ao contexto sócio-histórico do momento. Porém, sem abandonar a idéia de acomodar novos conhecimentos futuros. Segundo Durkheim (apud BURKE 2003), “as categorias do pensamento humano nunca são fixadas de forma definitiva; elas se fazem, desfazem e refazem incessantemente: mudam com o lugar e com o tempo”.

Internet: “catálogo” digital do conhecimento

A Internet representa hoje o nosso principal repositório de informações. Ao mesmo tempo, constitui-se num ambiente de constante dinamismo, onde relações sociais se estabelecem com o envolvimento de novos atores, a ponto de introduzir um novo paradigma nas comunicações humanas. Assim, de maneira divergente à biblioteca tradicional, a informação na rede é fluida, mutante, desordenada por definição.

Ao associar a tradicional classificação das bibliotecas a páginas de Internet, Biggs provoca uma releitura interessante sobre a atual condição da informação em rede. Mais do que “classificar” e “navegar” na web, Babel remete à questão da sobrecarga de informações. Ao contrário das bibliotecas, que historicamente representam o lugar do “ordenamento” e a “hierarquia”, a Internet se expande de maneira rizomática e caótica, publicando informações desordenadas a todo momento.

Biggs buscou duas fortes referências para a sua obra. A história bíblica de Babel nos conta sobre a proliferação de línguas e culturas num mesmo ambiente, que acabou por levar à desagregação da sociedade. Historicamente, Babel representou um centro econômico, social e político do mundo antigo, que atraía, portanto, diversos imigrantes de diferentes nacionalidades.

Torre de Babel - Brueghel
Fig. 2: Torre de Babel, por Pieter Bruegel de Oude.

Outra referência é o conto de Jorge Luis Borges, “Biblioteca de Babel”. Uma imensa biblioteca, composta por um acervo infinito, supõe registrar, nos seus volumes, toda a realidade existente. Curiosamente, seu material é composto por inúmeras referências repetidas, incompletas, redundantes ou que não fazem o menor sentido.

“Babel”, então, é um signo atual da condição da informação eletrônica. Ao tomar emprestada a taxonomia das bibliotecas para traduzir a Internet, Biggs traz para o nosso cotidiano uma reflexão sobre a maneira como navegamos. Traduz, numa interface visual navegável, porém densa e sobreposta, a informação codificada por um critério lógico. Apresenta-se, no entanto, sem a pretensão de abrigar todo o conhecimento humano atual num sistema organizado e estável de referências.

Interface construída por metadados

“Babel” também pode ser analisada sob outro ponto de vista interessante: o uso dos metadados na construção de sistemas interativos de navegação.

Podemos considerar o código numérico gerado pela classificação de Dewey como um dado qualquer, assim como registros em um banco de dados, coordenadas em um gráfico ou cores representadas por algarismos hexadecimais. O dado em si, não carrega qualquer significado intrínseco. O contexto onde está inserido e sua comparação com outros dados é que nos faz obter uma informação real. Ou seja, a informação surge a partir da interpretação de dados. Em outras palavras, quando construímos sentido aos dados, eles se tornam informação.

Por outro lado, a representação numérica de Dewey carrega consigo uma característica a mais. Ao serem construídos a partir de uma regra ou código semântico compartilhado, os algarismos de uma obra também explicam do que ela se trata. Portanto, ao utilizar um código de classificação socialmente compartilhado para organizar sites da Internet, Biggs foi capaz de construir um sistema de navegação por metadados. Ele acrescentou ao uso comum do hiperlink uma significação a mais, tanto sob o ponto de vista do seu destino (para onde o clique do mouse vai levar), quanto pela sua disposição e movimentação espacial.

Uma das apostas dos pesquisadores para promover uma melhor integração dos dados na Internet é a chamada Web Semântica, baseada em metadados. Os metadados têm sido apontados como uma das soluções para tornar a procura pela informação mais eficiente. A associação de descrições sobre o próprio documento serve como base para melhorar aplicações em diferentes situações, tais como busca e localização, personalização e distribuição automatizada.

Enfim, podemos concluir que “Babel” pode ser interpretada de diversas maneiras. O ponto de vista mais adequado para o recorte desta pesquisa é justamente o fato de que a obra aponta para modelos alternativos de navegação e interatividade na web. Outros artistas e designers também têm estudado essa questão, cuja análise foge ao escopo proposto. “Babel” foi selecionada por representar muito bem a associação de um código semântico (metadados) à maneira como as pessoas navegam na Internet.

Referências

BIGGS, Simon. Website Pessoal. 2007. Disponível em < http://www.littlepig.org.uk/ > Acessado em 06/03/2007

BIGGS, Simon. Babel, 2001. Disponível em < http://hosted.simonbiggs.easynet.co.uk/babel/babel.htm > Acessado em 06/03/2007

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento: de Gutemberg a Diderot.
Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003. 241 p.

DIETZ, Steve. Reverse Engineering the Library. Minneapolis, USA. 2001. Disponível em < http://hosted.simonbiggs.easynet.co.uk/babel/intro.htm > Acessado em 06/03/2006

Mapa conceitual auto-biográfico – Território existencial auto-referencial

Daniel Melo Ribeiro

Este artigo surgiu a partir de uma demanda da disciplina “Conceitos Fundamentais e Práticas no Design e Estéticas Tecnológicas”, ministrada pela Prof. Lucia Leão no curso de pós-graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital da PUC-SP.

Subjetividade: “o conjunto das condições que torna possível que instâncias individuais e/ou coletivas estejam em posição de emergir como território existencial auto-referencial, em adjacência ou em relação de delimitação com uma alteridade ela mesma subjetiva.” (GUATTARI. “Caosmose. Um novo paradigma estético”. Rio de Janeiro – Ed. 34, 1992.)

“… the real challenge of data art is not about how to map some abstract and impersonal data into something meaningful and beautiful – economists, graphic designers, and scientists are already doing this quite well. The more interesting and at the end maybe more important challenge is how to represent the personal subjective experience of a person living in a data society. If daily interaction with volumes of data and numerous messages is part of our new ‘data-subjectivity’, how can we represent this experience in new ways? How new media can represent the ambiguity, the otherness, the multi-dimensionality of our experience, going beyond already familiar and ‘normalized’ modernist techniques of montage, surrealism, absurd, etc.? In short, rather than trying hard to pursue the anti-sublime ideal, data visualization artists should also not forget that art has the unique license to portray human subjectivity – including its fundamental new dimension of being ‘immersed in data.'” (MANOVICH, Lev. Data Visualisation as New Abstraction and Anti-Sublime. Disponível em www.manovich.net/DOCS/data_art_2.doc)

“Os limites da linguagem representam os limites do meu mundo” (Wittgenstein).

Ética – fazer
Estética – sentir
Lógica – pensar

Mapeamento de dados: faces de um universo digital

Um dos maiores desafios da “era da informação” está em encontrar, dentre a massa de dados disponíveis, um recorte mais relevante que atenda uma dada carência de conhecimento. Tal volume de dados que circula pelas novas mídias interativas certamente tende a se potencializar com o avanço incessante da tecnologia da informação e do universo digital. Afinal, desde que passamos a colaborar com a produção de conteúdo para a Internet por meio da popularização de ferramentas como blogs, fotologs, wikis e podcasts, virtualmente estamos aptos a alcançar qualquer público.

Nesse contexto, cabe aos profissionais da informação munir-se de novas estratégias e metodologias para mapear e exibir recortes de dados da maneira mais apropriada para a sua audiência, a fim de oferecer-lhes informação nova e útil. Assim, o desenvolvimento de mecanismos mais inteligentes de busca na Internet, personalizados de acordo com as preferências do usuário, e a expansão do uso dos metadados são exemplos de esforços promovidos pelas equipes de TI para justamente adicionar mais relevância aos dados em formato digital.

Atualmente, as propostas de sites mais populares disponíveis na Internet (e comercialmente mais chamativas) são aquelas que, de alguma forma, souberam mapear a informação oferecida de uma maneira inovadora e simples. Na maioria das vezes, contando com a participação do usuário, afinal ninguém melhor do que o próprio interessado e sua comunidade para classificar um conteúdo dentro das suas preferências e expectativas. A “Internet colaborativa”, então, é o jargão do momento, o norte para aqueles que buscam mais “humanização” na rede.

Arquitetura da informação e a criação de mapas conceituais

A demanda deste exercício consiste em criar um mapa conceitual biográfico, que contenha conceitos relevantes da trajetória do autor, embasado pelos pilares da “estética”, da “ética” e da “lógica”.

Podemos dizer que a criação de mapas conceituais representa um esforço de recorte de informações numa outra perspectiva, muitas vezes mais visual, esquemática e não linear. É uma ferramenta didática útil para a representação de conceitos e os seus relacionamentos entre si.

Porém, como representar conceitos tão complexos como “trajetória de vida”, “sonhos”, “expectativas”, “experiências”, “desejos” e “conhecimento”, delimitando-os numa linha de tempo recheada de subjetivismo? Como poderíamos representar um mapa conceitual autobiográfico que fosse compreensível para o leitor? Absolutamente não haveria uma maneira de se totalizar num esquema algo tão rico em conceitos diversos, emaranhados numa rede de interconexões que só fazem sentido no universo do próprio autor.

De maneira análoga, os profissionais da arquitetura da informação se deparam com constantes desafios desse tipo. Precisam criar propostas de mapeamento de dados, dentre conceitos muitas vezes nebulosos, cujos relacionamentos se estreitam, à medida que adentramos no seu universo. Mas, justamente por isso, não cabe a eles transportar todo esse conhecimento (que sempre será individual) para um sistema de informação, e sim ter a competência para escolher o mapeamento mais adequado ao seu público.

Assim, o mapa conceitual autobiográfico deste exercício consistirá numa circunscrição ou recorte de certos aspectos, de alguma maneira significativos, a fim de auxiliar num processo de auto-conhecimento. Mas sem a pretensão de esgotar a “essência” do autor. Muito pelo contrário, estará aberto para constantes contribuições.

Território existencial auto-referencial

Os lugares que já visitamos ou que costumamos ir dizem muito sobre nossos hábitos, preferências e desejos. Guardar registros dessas passagens pode nos ajudar a compreender os porquês das nossas escolhas, nos dão uma visão da nossa condição atual e nos projetam para novas experiências. Mais do que isso, tais registros também podem ter muito significado para outras pessoas, afinal os lugares são públicos. Como pontos de paradas em rodovias ou nós em uma rede.

Então, sob essa perspectiva, criei um perfil no Delicious (http://del.icio.us). Ao compartilhar meus bookmarks e tornar públicas as paradas que fiz e costumo fazer na Internet, apresento um mapeamento da minha própria biografia, num recorte simplificado.

Além disso, ao criar tags para cada um dos sites visitados, classifico tais registros em agrupamentos conceituais. Posso também perceber, num modo de visualização chamado tag cloud, quais agrupamentos estão mais “recheados” de links, o que me permitirá concluir qual aspecto tem mais “peso” em minha vida. Por fim, permito que outras pessoas transitem pelos meus registros, conheçam novos lugares, identifiquem-se com minhas preferências. (e vice-versa).

O Delicious é, como o Flickr (http://www.flickr.com), o Youtube (http://www.youtube.com), o MySpace (http://www.myspace.com) e o Digg (http://www.digg.com), uma ferramenta de socialização de conteúdo na Internet. No seu caso, as URL’s da Internet são seus dados, mas a informação que a torna interessante para a comunidade é a que diz: “eu passei por aqui e gostei”.

Alguém passou por aqui

Tal como animais que delimitam o seu território, gostamos também de demonstrar aos outros que um determinado lugar também é parte da nossa existência. Mais do que “espaços” como dimensões abstratas, demarcamos os nossos “lugares”, nossos territórios de afetos.

Os links foram adicionados num processo de brainstorm, a medida que foram sendo lembrados, e, por esse motivo eu não pretendia esgotar a infinidade de sites que já visitei. Mas, a lista só tende a crescer, ao passo que freqüentes atualizações serão feitas (essa é a proposta!).

Por outro lado, realizar essa carga inicial sem muito critério apontou para um fato significativo: representa o que estava em minha lembrança no momento em que fazia o exercício. Tal como uma imagem refletida. Está lá o que eu sou hoje, pelo menos um resumo. Bom, se serviu de alerta para mim mesmo, acho que coloquei links demais na categoria “trabalho”…

Daniel Melo Ribeiro
http://del.icio.us/danielmelo