Um breve relato de uma tese

Tese de doutorado de Daniel Melo Ribeiro

Limiares da cartografia: deambulação, arqueologia e montagem no mapeamento de lugares

Acabo de depositar os volumes da minha tese. Formalmente, ainda não terminei o doutorado. É preciso ainda passar pelo ritual da banca, agendado para o próximo dia 24 de setembro, no campus Perdizes da PUC-SP (sinta-se convidado a comparecer! Será um prazer contar com a sua presença)

Literalmente, livrei-me de um peso. Noto, claramente, uma mudança de humor, uma leveza que não sentia há cerca de 4 anos, quando resolvi topar essa encrenca.

Para mim, o doutorado foi muito mais passional que o mestrado. Resolvi, por opção, mergulhar profundamente nessa empreitada. Juntei uma grana, afastei-me do mercado de trabalho e “abracei o capeta”. Posso agora dizer com um pouco mais de clareza que foi a experiência mais intensa e contraditória que já vivi, uma mistura de vaidade, orgulho e autoconhecimento (de um lado) e desgaste emocional, angústia e, principalmente, insegurança (de outro lado). Mas, sem dúvida, é uma conquista pessoal que não tem preço. Escrever uma tese é um marco, ainda mais em tempos tão sombrios quanto esses que estamos vivendo no Brasil. Perseguir um título de doutor, nesse contexto, é quase uma insanidade.

Em breve, publicarei fotos da banca. Também irei fazer uma lista de agradecimentos, afinal, não foram poucos os que seguraram a minha mão nesta jornada.

Coloquei uma parcela significativa da minha vida em 300 páginas. Mas, nada disso teria sido possível sem o apoio da minha esposa, Letícia. Foi ela que segurou a corda, caso contrário eu estaria, certamente, à deriva.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *